Atualização sobre o coronavírus

Cepas emergentes de coronavírus e pacientes veterinários

Atualização de diagnóstico • junho de 2020

Um novo coronavírus que está provocando uma epidemia de doenças respiratórias em humanos levantou dúvidas quanto à possível relevância desse vírus recém-descoberto para nossos pacientes veterinários. Este guia apresenta informações resumidas que respondem a algumas das perguntas mais frequentes sobre o coronavírus. Os conhecimentos acerca dos coronavírus e da sua transmissão evoluem rapidamente. Sugerimos que você consulte as fontes de referência no fim deste documento para obter informações atualizadas.

A Doença pelo Coronavírus 2019 (COVID-19) foi detectada pela primeira vez na China, com um surto que teve início na cidade de Wuhan. Essa doença é provocada por um novo coronavírus denominado SARS-CoV-2, e acredita-se que ele tenha se originado em morcegos. Desde o seu aparecimento no fim do ano de 2019, a COVID-19 se espalhou pelo mundo.1-3

O vírus SARS-CoV-2, que causa a COVID-19, é um coronavírus específico que infecta o trato respiratório humano, sendo diferente dos coronavírus identificados anteriormente em infecções de pacientes humanos ou veterinários. Os coronavírus são uma grande família de vírus que consiste de vários subgrupos de vírus comumente encontrados em humanos e outros mamíferos, além de aves e répteis.

Os coronavírus alfa e beta (inclusive aqueles responsáveis pelo resfriado comum em humanos) geralmente infectam mamíferos, enquanto os coronavírus gama e delta geralmente infectam aves e peixes. Muitos dos coronavírus comuns que provocam doenças em animais de companhia, como o coronavírus entérico felino, são coronavírus alfa. O SARS-CoV-2, responsável pelos recentes surtos respiratórios de COVID-19 em humanos, é um coronavírus beta.

Coronavírus em animais de companhia

Embora a COVID-19 (causada pelo coronavírus SARS-CoV-2) seja essencialmente uma doença humana, há outros coronavírus que provocam doenças em animais. Os testes RealPCR da IDEXX estão disponíveis para essas infecções comuns por coronavírus em cães, gatos, furões e cavalos. Esses testes são específicos para diversos coronavírus veterinários e não detectam o SARS-CoV-2.6 Os coronavírus detectados por esses testes são espécie-específicos e não infectam seres humanos.

  • O coronavírus respiratório canino contribui para o complexo respiratório infeccioso canino (também conhecido como traqueobronquite infecciosa canina, ou “tosse dos canis”). Ele provoca sinais clínicos semelhantes àqueles do resfriado comum. O teste RealPCR da IDEXX para coronavírus respiratório canino faz parte do nosso painel RealPCR para Doença Respiratória Canina (Canine Respiratory Disease, CRD) abrangente.
  • Os coronavírus entéricos podem causar infecção intestinal e diarreia, principalmente em animais mais jovens. Muitas infecções podem ser assintomáticas. Os testes RealPCR da IDEXX para coronavírus entérico em cães, gatos, cavalos ou furões estão incluídos em nossos painéis Diarreia RealPCR abrangente. Conforme observado acima, esses vírus são espécie-específicos. Por exemplo, o coronavírus entérico canino não infecta felinos e vice-versa.
  • A peritonite infecciosa felina (PIF) é uma mutação do coronavírus entérico felino que resulta em doença inflamatória sistêmica grave, muitas vezes fatal. A IDEXX dispõe de um teste RealPCR de biótipo do vírus da PIF que detecta as mutações mais comuns causadoras de PIF.

Coronavírus na pecuária e na avicultura

A IDEXX também fornece testes para vários coronavírus que afetam rebanhos e animais de produção. Um coronavírus gama, o vírus da bronquite infecciosa (infectious bronchitis virus, IBV) é economicamente relevante para a avicultura. Os coronavírus alfa podem provocar doença respiratória ou gastrointestinal leve em rebanhos, com sinais semelhantes àqueles apresentados por coronavírus caninos e felinos. Assim como os testes mencionados acima, esses testes são específicos para diversos coronavírus veterinários e não detectam o SARS-CoV-2. Os coronavírus detectados por esses testes são espécie-específicos e não infectam seres humanos.

  • O vírus da bronquite infecciosa (infectious bronchitis virus, IBV) provoca doença respiratória que se espalha rapidamente em aves jovens. Galinhas adultas infectadas apresentam queda na produção e ovos de baixa qualidade. A IDEXX dispõe de um ELISA para detecção do IBV.
  • Os coronavírus entéricos suínos são vários coronavírus que infectam suínos provocando sintomas respiratórios ou gastrointestinais, e incluem o vírus da gastroenterite transmissível (transmissible gastroenteritis virus, TGEV). Podem ocorrer ainda infecções leves ou assintomáticas. A IDEXX dispõe de um teste RealPCR para TGEV.
  • Os coronavírus bovinos podem causar diarreia em bezerros. Eles também podem provocar disenteria de inverno com diarreia sanguinolenta, sinais respiratórios leves e redução da produção no gado adulto. A IDEXX dispõe de um ELISA para detecção de antígenos de coronavírus na diarreia de bezerros.

Animais de companhia e a transmissão da COVID-19

As principais autoridades sanitárias concordam que a COVID-19 é essencialmente uma doença humana transmitida diretamente de pessoa para pessoa em secreções respiratórias.1-4 A transmissão secundária pelo contato com uma superfície em que há presença de vírus também é possível, principalmente superfícies lisas como plástico ou metal.5,6 Acredita-se que superfícies porosas como tecidos e pelos sejam menos propícias à transmissão por fômites.

Estudos recentes demonstraram que gatos e furões pode ser infectados em cenários experimentais e transmitir a doença para outros animais, enquanto os cães são geralmente resistentes à infecção, provavelmente devido a diferenças entre os receptores ACE-2 dessas espécies.7-9 Em casos isolados, há relatos de zooantroponose reversa (doença transmitida de humano infectado para animal de companhia) em gatos e tigres.10,11 Evidências sorológicas sugerem que infecções assintomáticas em gatos podem ser mais comuns do que se suspeitava inicialmente.12 A infecção em gatos e furões é geralmente subclínica, mas pode apresentar sinais respiratórios leves, febre e, em alguns casos, sinais gastrointestinais. Nessas espécies hospedeiras não primárias, a infecção parece ter uma duração mais curta que em humanos. Embora haja relatos esporádicos de infecções transitórias por zooantroponose reversa em cães que coabitam com humanos infectados pelo vírus da COVID-19, não há relatos de sinais clínicos nesses cães.10,13Acredita-se que animais de companhia não transmitem COVID-19 para seres humanos.1-4

Os conhecimentos acerca da transmissão do SARS-CoV-2 e da doença COVID-19 evoluem rapidamente. Consulte a página da COVID-19 no site do CDC para obter informações atualizadas sobre o risco da transmissão do SARS-CoV-2 em animais.

 

Desenvolvimento de um teste SARS-CoV-2 (COVID-19) RealPCR da IDEXX 

Os Laboratórios de Referência IDEXX desenvolveram um teste PCR em tempo real para detectar o SARS-CoV-2 com base nas sequências genéticas do vírus publicadas a partir da epidemia humana. O teste SARS-CoV-2 (COVID-19) RealPCR da IDEXX tem como alvo o mesmo gene do nucleocapsídeo usado nos ensaios do CDC, mas foi adaptado com um alinhamento exclusivo para uso em animais. Ele foi desenvolvido com cuidado para evitar reatividade cruzada com outros coronavírus veterinários específicos. Os estudos de especificidade confirmam que não há reatividade cruzada com o novo teste PCR em relação aos coronavírus veterinários comuns que afetam animais de companhia. Do mesmo modo, foi comprovado que os testes RealPCR disponíveis atualmente para esses coronavírus veterinários não detectam o ácido nucleico viral do SARS-CoV-2. 

Durante o período inicial de validação de quatro semanas do novo teste SARS-CoV-2 (COVID-19) RealPCR, a IDEXX testou mais de 3.500 amostras caninas, felinas e equinas enviadas aos Laboratórios de referência da IDEXX para painéis respiratórios RealPCR. As amostras foram testadas em paralelo com três ensaios dos Centros de Controle de Prevenção de Doenças (Centers for Disease Control and Prevention, CDC). Um subconjunto de amostras fecais enviadas para diagnóstico por painéis diarreia RealPCR também foi avaliado como parte dos estudos de reatividade cruzada. As amostras eram provenientes dos Estados Unidos e da Coreia do Sul. O rastreamento foi estendido, começando no meio de março no Canadá e em países europeus e incluindo áreas com índices elevados de COVID-19 na população humana. Até meados de abril, mais de 5 mil amostras haviam sido testadas para o vírus SARS-CoV-2. Todas as amostras apresentaram resultado negativo. Isso corrobora a opinião de especialistas de que a transmissão de zooantroponose reversa de humanos para animais de companhia não é comum. 

Quando usar o teste SARS-CoV-2 (COVID-19) RealPCR da IDEXX

Neste momento, os especialistas não recomendam o rastreamento de animais de companhia sem sinais clínicos para o vírus SARS-CoV-2, salvo recomendação em contrário por parte de uma autoridade sanitária. A testagem de animais de companhia sintomáticos em residências infectadas com COVID-19 nem sempre é indicada, pois os sinais clínicos, quando presentes, podem ser leves e transitórios. Pode-se considerar o teste SARS-CoV-2 (COVID-19) RealPCR da IDEXX ao investigar doença respiratória em furões ou gatos após descartar infecções respiratórias mais comuns. Recomenda-se consultar uma autoridade sanitária local antes de considerar a realização de testes para COVID-19 em um animal de companhia. Os testes devem limitar-se àqueles animais com exposição conhecida ou forte suspeita de exposição à COVID-19. Para gatos que apresentam sinais respiratórios, deve-se considerar um painel RealPCR felino para infecção de trato respiratório superior (ITRS) antes de investigar a infecção por SARS-CoV-2, mesmo em se tratando de gatos que coabitam em uma casa com resultado positivo para COVID-19. Furões que apresentam sinais respiratórios devem ser avaliados com um painel RealPCR para vírus influenza, além do teste SARS-CoV-2 (COVID-19) RealPCR da IDEXX. 

Quando é indicado testar animais de companhia para COVID-19?

O paciente apresenta sinais respiratórios ou algum outro sinal clínico de COVID-19?

Não

Não testar para COVID-19

Sim

Testar para causas mais comuns:

Painel RealPCR de Doença respiratória superior (URD) – gatos

Painel RealPCR de Doença respiratória abrangente (CRD) – cães

Painel RealPCR de Vírus influenza – cães/furões

Não

O paciente já foi testado para patógenos respiratórios comuns?

Sim

A causa foi identificada no painel RealPCR respiratório?

Não

Há algum histórico de exposição do paciente à COVID-19 (p. ex., humano infectado no ambiente doméstico)?

Não

Não testar para COVID-19

Sim

Sim

Não testar para COVID-19

Recomenda-se consultar um veterinário sanitarista antes de testar

Teste SARS-CoV-2 (COVID-19) RealPCR

Orientações para coleta de amostras de SARS-CoV-2

Antes de testar um animal de companhia para SARS-CoV-2, é recomendável consultar um veterinário sanitarista ou a AVMA para verificar as orientações mais recentes para a coleta segura de amostras. Recomenda-se o uso de equipamento de proteção individual (EPI), incluindo luvas, máscara, capote e proteção ocular, ao coletar amostras de um animal de companhia com suspeita de infecção por SARS-CoV-2.

A amostra ideal deve se basear em apresentação clínica e finalidade do teste. 

  • Para manifestações respiratórias: swab faríngeo profundo (com material orgânico visível no swab; esfregar com firmeza) e um swab conjuntival (limpar os olhos e passar o swab no interior da pálpebra), no mesmo tubo. Se o paciente cooperar, pode-se incluir um swab da cavidade nasal caudal. Enviar swabs de haste plástica, secos, sem nenhum meio de transporte, em tubo de tampa vermelha ou vazio estéril; manter refrigerado. 
  • Para manifestações gastrointestinais: 3-5 g (1 g no mínimo) de fezes frescas em um frasco estéril e swab faríngeo profundo (com material orgânico visível no swab; esfregar com firmeza) e um swab conjuntival (limpar os olhos e passar o swab no interior da pálpebra), no mesmo tubo. Enviar swabs de haste plástica, secos, sem nenhum meio de transporte, em tubo de tampa vermelha ou vazio estéril; manter refrigerado.
  • Sem sinais clínicos distintos (p. ex., em pesquisas da saúde pública): 3-5 g (1 g no mínimo) de fezes frescas em um frasco estéril e swab faríngeo profundo (com material orgânico visível no swab; esfregar com firmeza), swab conjuntival (limpar os olhos e passar o swab no interior da pálpebra), e swab nasal caudal, no mesmo tubo.

Tratamento de animais de companhia com resultado positivo para SARS-CoV-2

A COVID-19 é uma doença de notificação obrigatória em nível internacional. Caso seja detectado um resultado positivo para o SARS-CoV-2, a equipe RealPCR da IDEXX fornecerá informações essenciais (conforme estabelecido nas leis de privacidade e outras leis) às autoridades sanitárias e/ou veterinárias (por exemplo, ao veterinário de saúde pública responsável nos Estados Unidos). O veterinário comunicante é então responsável por fornecer informações clínicas adicionais às autoridades sanitárias, conforme exigido por lei. Testes SARS-CoV-2 (COVID-19) RealPCR™ da IDEXX positivos serão confirmados em um laboratório terceirizado pelo governo, conforme orientações regulamentares.

Um resultado positivo no teste PCR em um animal de companhia que coabita em um ambiente doméstico positivo para COVID-19 pode ser decorrente de transmissão da infecção por zooantroponose reversa do tutor infectado (ou outro humano infectado) para o animal de companhia, ou pode refletir contaminação ambiental. É importante interpretar os resultados levando em consideração o histórico, os sinais clínicos e o resultado de testes diagnósticos comuns para patógenos veterinários. 

Os animais de companhia infectados devem ser tratados sintomaticamente com base nos seus sinais clínicos e devem ser monitorados quanto a evidências de complicações secundárias (p. ex., infecção bacteriana). Se os sinais respiratórios forem leves o suficiente e a hospitalização não for necessária, recomenda-se que o animal de companhia permaneça isolado em casa com seu tutor. Se não houver histórico de infecção com a COVID-19 no ambiente doméstico, recomenda-se consultar uma autoridade sanitária a fim de determinar o melhor procedimento de realização de testes para os humanos da casa e o tratamento do animal infectado. Deve-se considerar a repetição do teste RealPCR em uma a duas semanas, para confirmar se o animal de companhia não apresenta mais resultado positivo, antes de considerar a casa livre de infecção ou de permitir que o animal tenha contato com outros animais não expostos (principalmente gatos ou furões). 

Prevenção da infecção de COVID-19

As recomendações para prevenção da disseminação da COVID-19 se concentram na prevenção da exposição. Entre outras medidas, deve-se limitar contato pessoal com indivíduos doentes, viagens e eventos com grande concentração de pessoas; lavar as mãos regularmente; e cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar.1,2

Até o momento presente, nenhum medicamento antiviral se mostrou eficaz para o tratamento da COVID-19. Não há vacinas disponíveis comercialmente no momento para a prevenção da infecção por SARS-CoV-2 em humanos ou animais.

Embora a infecção por zooantroponose reversa (de seres humanos para seus animais de companhia) que resulte em doença clínica seja considerada rara, se um tutor de animal de companhia tiver sido diagnosticado com COVID-19, a AVMA, o CDC e outras autoridades mundiais recomendam limitar o contato com qualquer animal de companhia como medida preventiva de saúde animal. Se possível, o animal deve ser cuidado por outro membro da família ou da casa.

Recursos adicionais

Acesse estes sites para obter informações atualizadas sobre a epidemia de COVID-19, além de recursos úteis sobre prevenção e controle da COVID-19.

Informações do pedido

Nomes e códigos do teste

Código do teste: Sob Consulta

Teste SARS-CoV-2 (COVID-19) RealPCR da IDEXX

Código do teste: Sob Consulta

Complemento do teste SARS-CoV-2 (COVID-19) RealPCR da IDEXX

Complemento para um teste ou painel RealPCR anterior

 

Painel RealPCR de infecção de trato respiratório superior (ITRS)

Testes RealPCR para Bordetella bronchiseptica, Chlamydophila felis, calicivírus felino, quant. herpesvírus felino tipo 1 (FHV-1), vírus da gripe aviária H7N2, vírus influenza A (inclui H3N2, H1N1, H3N8) e Mycoplasma felis. Inclui quantificação de partículas virais de herpesvírus felino tipo 1 (FHV-1) se o resultado do PCR for positivo. Inclui identificação da cepa de influenza A se o resultado do PCR for positivo.

Sob Consulta —Gatos


Painel RealPCR de doença respiratória (DRC) (Abrangente)

Testes RealPCR para Bordetella bronchiseptica, adenovírus canino tipo 2, quant. vírus da cinomose canina (CDV), herpesvírus canino tipo 1 (CHV-1), vírus da parainfluenza canina, pneumovírus canino, coronavírus respiratório canino (CRCoV), vírus da influenza canina H3N2, vírus influenza A (inclui H1N1, H3N2, H3N8, H7N2), Mycoplasma cynos e Streptococcus equi subsp. zooepidemicus. Inclui quantificação de partículas virais de vírus da cinomose canina se o resultado do PCR for positivo. Inclui identificação da cepa de influenza A se o resultado do PCR for positivo.

Sob Consulta—Cães

 

Painel RealPCR para vírus influenza

Testes RealPCR para vírus influenza pandêmico H1N1, vírus da influenza canina H3N2, vírus da influenza canina H3N8, vírus influenza A. Inclui identificação da cepa de influenza A se o resultado do PCR for positivo.

Sob Consulta—Cães/Furões

Requisitos das amostras

Swab faríngeo profundo (com material orgânico visível no swab; esfregar com firmeza) e um swab conjuntival (limpar os olhos e passar o swab no interior da pálpebra), no mesmo tubo. Enviar swabs de haste plástica, secos, sem nenhum meio de transporte, em tubo de tampa vermelha ou vazio estéril; manter refrigerado. 

Amostras adicionais para o teste SARS-CoV-2 (COVID-19) RealPCR da IDEXX: se o paciente cooperar, pode-se incluir um swab da cavidade nasal caudal. Se houver presença de sinais gastrointestinais, incluir também 3-5 g (1 g no mínimo) de fezes frescas em um tubo estéril.

OBSERVAÇÃO: Entre em contato por telefone para obter mais informações além de verificar as instruções para envio de amostras especiais. 

Serviço ao cliente: 0800 + opção 4 + opção 2

Serviço e suporte

Como solicitar testes

Para solicitação de testes, você pode pode entrar em contato com o atendimento ao cliente através do telefone:

Serviço ao cliente: 0800 + opção 4 + opção 2

Prazo para entrega

Resultados preliminares e tempo de entrega sob consulta com nossa equipe de Atendimento ao Cliente.

Serviços de atendimento ao cliente

A IDEXX oferece suporte à sua clínica com nossa equipe de atendimento ao cliente, suporte técnico e serviços de consultoria clínica, incluindo nossos veterinários de suporte diagnóstico e especialistas certificados.

Serviço ao cliente: 0800 + opção 4 + opção 2

Referências

  1. Centers for Disease Control and Prevention. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19). www.cdc.gov/COVID19. Accessed April 16, 2020.
  2. World Health Organization. Coronavirus disease (COVID-19) outbreak. www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019. Accessed April 16, 2020.
  3. American Veterinary Medical Association. COVID-19: What veterinarians need to know. www.avma.org/coronavirus. Accessed April 16, 2020.
  4. World Small Animal Veterinary Association (WSAVA). The new coronavirus and companion animals—advice for WSAVA members. www.wsava.org/news/highlighted-news/the-new-coronavirus-and-companion-animals-advice-for-wsava-members. Accessed April 16, 2020.
  5. Ong SWX, Tan YK, Chia PY, et al. Air, surface environmental, and personal protective equipment contamination by serve acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) from a symptomatic patient [published online ahead of print March 4, 2020]. JAMA. 2020;e203227. doi:10.1001/jama.2020.3227
  6. van Doremalen N, Bushmaker Y, Morris DH, et al. Aerosol and surface stability of SARS-COV-2 as compared with SARS-CoV-1. N Engl J Med2020;382(16):1564–1567. doi:10.1056/NEJMc2004973
  7. Wan Y, Shang J, Graham R, Baric RS, Li F. Receptor recognition by the novel coronavirus from Wuhan: An analysis based on decade-long structural studies of SARS coronavirus. J Virol. 2020;94(7):e00127-20. doi:10.1128/JVI.00127-20
  8. Shi J, Wen Z, Zhong G, et al.  Susceptibility of ferrets, cats, dogs and other domesticated animals to SARS-coronavirus 2. Science. 2020;eabb7015. doi:10.1126/science.abb7015
  9. Kim Y, Kim SG, Kim SM, et al. Infection and rapid transmission of SARS-CoV-2 in ferrets [published online ahead of print April 5, 2020]. Cell Host Microbe. 2020;S1931-3128(20)30187-6. doi:10.1016/j.chom.2020.03.023
  10. Questions and answers on the 2019 coronavirus disease (COVID-19): Surveillance and events in animals. World Organisation for Animal Health (OIE) website. www.oie.int/en/scientific-expertise/specific-information-and-recommendations/questions-and-answers-on-2019novel-coronavirus. Updated April 9, 2020. Accessed April 16, 2020.
  11. USDA statement on the confirmation of COVID-19 in a tiger in New York. USDA Animal and Plant Health Inspection Service website. www.aphis.usda.gov/aphis/newsroom/news/sa_by_date/sa-2020/ny-zoo-covid-19. Updated April 6, 2020. Accessed April 16, 2020.
  12. Zhang Q, Zhang H, Huang K, et al. SARS-CoV-2 neutralizing serum antibodies in cats: a serological investigation [preprint]. doi:10.1101/2020.04.01.021196
  13. Low-level of infection with COVID-19 in pet dog [news release]. Hong Kong: Government of the Hong Kong Special Administrative Region; March 4, 2020. www.info.gov.hk/gia/general/202003/04/P2020030400658.htm. Accessed April 16, 2020.
  14. COVID-19 RealPCR Validation Studies: sequence blast analyses and cross-reactivity studies. March 2020. Data on file at IDEXX Laboratories, Inc. Westbrook, Maine USA.

 

O teste PCR é um serviço realizado conforme contrato estabelecido com a Roche Molecular Systems, Inc.

Entre em contato com o atendimento ao cliente

Informações sobre saúde pública e outras questões não relacionadas a clientes: Clique aqui.