Teste de antígeno Fecal Dx™ — encontre infecções por parasitas que o microscópio não detecta

Atualização diagnóstica • Novembro 2016

 

Introdução

Para preservar a saúde dos pacientes, o exame fecal de parasitas intestinais é uma parte importante do exame geral regular. Independentemente do procedimento fecal usado, pode haver limitações para a identificação precisa de alguns parasitas. A detecção de ancilostomatídeos, ascaridídeos e tricurídeos pode ser difícil com os meios diagnósticos atuais. Os laboratórios de referência IDEXX oferecem o teste de antígeno Fecal Dx, uma ferramenta adicional para detectar esses parasitas comuns.

Quer levá-lo com você?

Download the PDF

Histórico

Na clínica de pequenos animais, ancilostomatídeos, ascaridídeos e tricurídeos são parasitas intestinais frequentemente encontrados em pacientes caninos e felinos. Eles têm ciclos de vida e período pré-patente exclusivos, o tempo entre a infecção do hospedeiro e a postura de ovos pode variar de 14 a 21 dias em ancilostomatídeos, 14 a 30 dias em ascaridídeos e até mesmo 74 a 90 dias em tricurídeos. Esse período pré-patente pode permitir que as infecções não sejam detectadas em flutuação fecal, aumentando a chance do aparecimento de sinais clínicos antes da evidência de ovos nas fezes.


Prevalência

Em cães e gatos, a prevalência de infecção com cada parasita intestinal varia de região para região e tende a ocorrer com mais frequência em animais de abrigos que em cães e gatos bem cuidados que consultam regularmente o veterinário. Animais de companhia criados fora de casa e caçadores, que se alimentam de presas com tecidos possivelmente infectados, têm maior chance de contraírem infecção.

Estudos mostraram que a prevalência de ancilostomatídeos e ascaridídeos foi 2,5% e 2,2%, respectivamente1, e 20,2% e 15,2% em cães de abrigos.2 Um estudo de aproximadamente 1.500 amostras fecais de felinos descobriu que 7,5% dos gatos estavam infectados com Toxocara cati.3

A prevalência de tricurídeos em cães nos EUA, com base na detecção de ovos nas fezes, varia de 1,2% em cães domésticos a 14,3% em cães de abrigos.2 Na América do Norte, as infecções de gatos por tricurídeos são raras.4

Sinais clínicos

Alguns cães e gatos infectados com esses parasitas intestinais comuns podem ser assintomáticos, mas outros podem desenvolver uma variedade de sinais gastrointestinais dependendo do parasita e da idade do paciente. Os sintomas podem variar de diarreia leve, vômito e atraso do crescimento estato-ponderal a diarreia grave com sangue, anemia e eventualmente morte.


Meios diagnósticos atuais

Atualmente, o método de diagnóstico mais comum para infecções intestinal parasitárias é a flutuação fecal, seja passiva ou por centrifugação. Há sempre muitos problemas que podem complicar o diagnóstico de infecções com esse método. Uma complicação possível é a identificação incorreta. Pólen e outros resíduos podem ser identificados como ovos. Além disso, também pode haver a identificação inapropriada de ovos de outras espécies como resultado da coprofagia. Um estudo que pesquisou essa ocorrência descobriu que 31,5% das amostras de fezes de cães positivas para Toxocara eram, na verdade, ovos de T. cati.5

Outro problema comum é a densidade variável dos ovos diferentes, o que dificulta a escolha do veterinário pela solução de flotação ideal para garantir a recuperação adequada dos ovos de outros possíveis parasitas.

Mais outro desafio da flutuação fecal é que esse método de identificação de ovos não é capaz de detectar infecções durante o período pré-patente ou por parasitas de um sexo só, quando simplesmente não há ovos no animal infectado.

Por fim, a flutuação fecal pode não ser sempre confiável como o único teste. Como muitos parasitas põe ovos intermitentemente, uma amostra de um animal infectado pode ainda assim gerar um diagnóstico falso-negativo, se for examinada apenas uma única flutuação fecal. Por todos esses motivos, é preciso encontrar uma ferramenta melhor para o diagnóstico dos parasitas intestinais mais comumente encontrados em cães e gatos.

Novas opções de teste dos laboratórios de referência IDEXX

A detecção de antígenos é hoje usada comumente para diagnosticar infecções por dirofilária e Giardia e agora está disponível para esses outros parasitas. Os laboratórios de referência IDEXX desenvolveram o teste de antígeno Fecal Dx, que inclui ensaios imunoadsorventes ligados à enzima (ELISAs) para a detecção de antígenos de ancilostomatídeos, ascaridídeos e tricurídeos nas fezes. Esses antígenos são secretados nas fezes do verme adulto e não estão presentes nos ovos, o que permite a detecção dos estágios pré-patentes e também superar os desafios da postura de ovos intermitente. A detecção precoce durante o período pré-patente também reduz a frequência de contaminação ambiental com ovos potencialmente infecciosos. Como recomendado pelo Conselho de Parasitas de Animais de Companhia (CAPC [Companion Animal Parasite Council]), os testes de antígenos nas fezes devem ser combinados com a pesquisa microscópica dos ovos para a detecção ter um espectro maior de parasitas em cães e gatos.6


Detecte mais infecções

Mais de 750.000 resultados fecais dos laboratórios de referência IDEXX, compostos por amostras de cães e gatos, foram analisados em razão de resultados positivos para nematódeos. Essas amostras foram submetidas a testes com os métodos de flutuação fecal com centrífuga (O e P fecais) e ELISA de antígeno fecal, para detectar ancilostomatídeos, ascaridídeos e tricurídeos.

Ovos de ancilostomatídeos foram detectados em 1,7% das amostras. O ELISA do antígeno específico dos ancilostomatídeos foi positivo em 2,0% das amostras negativas para ovos, levando a detecção total desses parasitas com o teste combinado de O e P fecais e ELISA de antígenos a 3,7%.

Ovos de ascaridídeos foram detectados em 2,2% das amostras. O ELISA do antígeno específico dos ascaridídeos foi positivo em 1,3% das amostras negativas para ovos, levando a detecção total desses parasitas com o teste combinado de O e P fecais e ELISA de antígenos a 3,5%.

Ovos de tricurídeos foram detectados em 0,7% das amostras de cães. O ELISA do antígeno específico dos tricurídeos foi positivo em 1,0% das amostras negativas para ovos, levando a detecção total desses parasitas com o teste combinado de O e P fecais e ELISA de antígenos a 1,7%.

Detecte infecções antecipadamente

Devido à ausência da detecção de ovos com o teste de O e P fecais durante o período pré-patente e infecções por parasitas de um sexo só, muitas infecções podem ficar sem detecção por um período de tempo e, assim, criar uma dificuldade na correlação dos sinais clínicos com os resultados dos testes. Em um estudo experimental de infecções conduzido pela IDEXX, os ELISAs de antígenos fecais foram capazes de detectar infecções durante esse estágio pré-patente.

O gráfico abaixo ilustra a identificação de uma infecção por tricurídeos aproximadamente 30 dias antes do teste de O e P fecais usando o ELISA de antígenos específicos para tricurídeos.


Tratamento

Há uma variedade de produtos anti-helmínticos para o tratamento e o controle de infecções por ancilostomatídeos, ascaridídeos e tricurídeos. Veja as atuais recomendações de orientação do CAPC.6

Os testes de antígeno Fecal Dx detectam o antígeno do parasita. Um teste de antígeno positivo indica infecção. Amostras com resultado positivo para antígenos e negativo para ovos podem ser vistas durante o período pré-patente, com infecções por parasitas de um sexo só e como resultado de postura intermitente de ovos. A identificação microscópica dos ovos em amostras com resultado negativo para antígenos pode ser devida à ingestão de fezes infectadas (coprofagia), ou porque a quantidade de antígeno está abaixo do nível da infecção. O tratamento deve ser considerado para pacientes com resultado positivo para antígenos ou detecção de ovos.

Considerações de saúde pública e medidas preventivas

Devido ao potencial zoonótico desses parasitas, com mais frequência os ancilostomatídeos e os ascaridídeos, é importante descartar as fezes imediatamente. Isso também reduz a probabilidade de reinfecções e previne a contaminação de longo prazo do meio-ambiente. Medicamentos anti-helmínticos mensais podem ser úteis na prevenção da continuação do ciclo.


Informações para compra

 

5199 Painel de antígenos Fecal Dx

Antígenos de ancilostomatídeos, ascaridídeos e tricurídeos por ELISA

3 a 5 g (0,2 g mínimo) de fezes frescas em recipiente plástico limpo


5299 Painel de antígenos Fecal Dx com Giárdia

Antígenos de giárdia, ancilostomatídeos, ascaridídeos e tricurídeos por ELISA

3 a 5 g (0,2 g mínimo) de fezes frescas em recipiente plástico limpo


5013 Perfil Fecal Dx™

Ovos nas fezes e parasitas, antígenos de ancilostomatídeos, ascaridídeos e tricurídeos por ELISA

3 a 5 g de fezes frescas em recipiente plástico limpo


24639 Perfil Fecal Dx™ com Giárdia

Ovos nas fezes e parasitas, antígenos de giárdia, ancilostomatídeos, ascaridídeos e tricurídeos por ELISA

3 a 5 g de fezes frescas em recipiente plástico limpo


Tempo de realização: Dia seguinte às 10h00


Entrar em contato com a IDEXX

Atendimento aos Laboratórios Clientes
Se tiver alguma dúvida com respeito a códigos dos testes, tempo de realização ou preço, entre em contato com a equipe de Atendimento aos Laboratórios Clientes no 0800 40 43399.

Comentários de especialistas sempre que precisar
Nosso serviço de consultoria em especialidades médicas está disponível para consultas gratuitas com especialistas. Ligue para 0800 40 43399 se tiver dúvidas.

Leitura recomendada

Diagnosing Intestinal Parasites

Elsemore DA, Geng J, Flynn L, Cruthers L, Lucio-Forster A, Bowman DD. Enzyme-linked immunosorbent assay for coproantigen detection of Trichuris vulpis in dogsJ Vet Diagn Invest. 2014;26(3):404-411.

Elsemore DA, Geng J, Cote J, Hanna R, Lucio-Forster A, Bowman DD. Enzyme-linked immunosorbent assays for coproantigen detection of Ancylostoma caninum and Toxocara canis in dogs and Toxocara cati in cats.J Vet Diagn Invest. SAGE Journals website. Publicado em 19 de abril de 2017. Consultado em 16 de junho de 2017. 

Atualização da pesquisa

Studies show that Fecal Dx antigen tests allow for earlier detection of more intestinal parasites


Referências

  1. Little SE, Johnson EM, Lewis D, et al. Prevalence of intestinal parasites in pet dogs in the United States. Vet Parasitol. 2009;166(1–2):144–152.
  2. Blagburn BL, Lindsay DS, Vaughan JL, et al. Prevalence of canine parasites based on fecal flotation. Compend Contin Educ Pract Vet.1996;18(5):483–509.
  3. Gates MC, Nolan TJ. Endoparasite prevalence and recurrence across different age groups of dogs and cats. Vet Parasitol. 2009;166(1–2):153-158.
  4. Bowman DD. Georgis’ Parasitology for Veterinarians. 9th ed. St Louis, MO: Saunders; 2009:224.
  5. Fahrion AS, Schnyder M, Wichert B, Deplazes P. Toxocara eggs shed by dogs and cats and their molecular and morphometric species-specific identification: is the finding of T. cati eggs shed by dogs of epidemiological relevance? Vet Parasitol. 2011;177(1–2):186-189.
  6. Companion Animal Parasite Council. Current advice on parasite control: intestinal parasites. www.capcvet.org/capc-recommendations. Consultado em 8 de novembro de 2016.

As informações aqui contidas tem a finalidade exclusiva de fornecer orientação geral. Como com qualquer diagnóstico ou tratamento, você deve usar de bom senso clínico com cada paciente baseado em uma avaliação completa do mesmo, incluindo histórico, apresentação física e dados laboratoriais completos. Com relação a qualquer terapia medicamentosa ou programa de monitoramento, você deve consultar as bulas dos produtos para obter uma descrição completa de dosagens, indicações, interações e precauções.