Teste de anticorpo contra gI do PrV/VDA da IDEXX (fora dos EUA)

Vírus da pseudorraiva (PrV)/vírus da doença de Aujeszky (VDA)

O teste de anticorpo contra gI do PrV/VDA da IDEXX é um imunoensaio para a detecção de anticorpos em soro suíno contra o antígeno gI (gE) do vírus da pseudorraiva (PrV/doença de Aujeszky). A presença de anticorpos indica exposição a cepas de campo do PrV e/ou a vacinas contendo o antígeno gI. Esse teste diferencial destina-se ao uso no manejo de rebanhos e em aplicações para a erradicação da pseudorraiva.

* Disponibilidade/Distribuição: fora dos Estados Unidos. 

 

Entre em contato conosco

Detalhes do teste


Recursos

  • Amostras de soro
  • Diferenciação de animais infectados e vacinados (Differentiating Infected from Vaccinated Animals, DIVA)
  • Resultados em menos de duas horas

Números e tamanhos das peças

99-09836 (6 placas/bandas) 
99-09837 (30 placas/sólido)

Vírus da pseudorraiva (PrV)/vírus da doença de Aujeszky (VDA)

O vírus da pseudorraiva (PrV/doença de Aujeszky) é um herpesvírus tipo 1 suíno. As infecções com as maiores taxas de mortalidade são aquelas que afetam leitões lactentes nascidos de porcas suscetíveis. Os leitões que estão no curso fatal da doença apresentam dificuldade para respirar, febre, hipersalivação, anorexia, vômitos, diarreia, tremores e depressão.

Nessa faixa etária, os estágios finais da infecção são comumente caracterizados por ataxia, nistagmo, síncopes contínuas, convulsões intermitentes, coma e morte. A morte geralmente ocorre 24-48 horas após o aparecimento dos sintomas clínicos. Os eventos clínicos da doença em porcos em desmame e engorda são essencialmente os mesmos, exceto pelo fato de que o curso da doença é geralmente prolongado em 4-8 dias.

A taxa de mortalidade em porcos maduros pode chegar a 2%; no entanto, não costumam ocorrer perdas. Apesar de a evolução clínica em suínos gestantes ser praticamente a mesma que em suínos maduros, existe uma variação devido à infecção transplacentária dos fetos. É possível a ocorrência de infecção transplacentária com o PrV e, dependendo da fase da gestação, pode ocorrer uma das sequelas a seguir: reabsorção, expulsão prematura, nascimento de fetos macerados, natimortos ou nascimento de leitões infectados e fracos.

A avaliação da exposição ao vírus da pseudorraiva através de infecção natural ou vacina é facilitada pela medição de anticorpos no soro.



* Nem todos os produtos estão disponíveis e/ou registrados em todos os países.